Em busca da assertividade na prática arquitetural

Meu pai sempre dizia: não levante a sua voz, melhore os seus argumentos.
Desmond Tutu
A boa arquitetura de software é a arte de resolver trade-offs.
0
Concorda?x

Não há padrão, estilo ou solução “bala de prata”. Toda decisão implica em vantagens e desvantagens marcantes. Priorizar resiliência sacrifica performance. Melhorar a segurança pode comprometer disponibilidade. Combater o acoplamento frequentemente vai na direção contrária do reuso. Não há almoço grátis!

Não se pode perder de vista que o objetivo das práticas de arquitetura de software é, sempre, atender as expectativas do negócio, respeitando restrições e atingir atributos de qualidade, tudo isso com o menor custo possível, mitigando riscos. A melhor solução arquitetural geralmente será aquela que tiver a melhor relação de custo e risco, conforme o contexto.
0
Consideraçõesx

O que entender por assertividade?

Assertividade, para o projeto de arquitetura, implica em três cuidados simples: garantir que decisões arquiteturais sejam tomadas, justificar adequadamente essas decisões e, finalmente, comunicar adequadamente tanto as decisões quanto suas justificativas.
0
Considerações?x

Para boa parte dos problemas arquiteturais há pelo menos duas abordagens de solução. Assumir decisões implica, fatalmente, em renúncias. Não raro, por esse motivo, decisões ficam sendo postergadas muito além do último momento responsável.

Uma definição simples de ansiedade diz que esta é causada pelo “excesso de futuro”. Ou seja, pelos diversos “caminhos possíveis” frente a pontos de decisão. Quando decisões arquiteturais são adiadas, acabam “plantando” ansiedade não apenas nos times técnicos mas também nos demais stakeholders. Infelizmente, para complicar ainda mais as coisas, podemos dizer que a procrastinação é a prima irmã da ansiedade.
0
Considerações?x

Cabe aos arquitetos de sotware a responsabilidade de garantir que decisões arquiteturais sejam tomadas no melhor momento. Isso feito, previnindo a ansiedade dos times técnicos e garantindo fluxo de entrega de valor.

Todas as decisões arquiteturais também precisam ser claramente justificadas. Ou seja, é importante que, além de comunicar a decisão arquitetural, também seja compartilhado o racional que levou a essa decisão. Isso será, como já sabemos, de enorme valia mais tarde, quando essas decisões forem questionadas.

Request for Comments (RFC)

Uma maneira efetiva de registrar decisões arquiteturais, como já sabemos, é utilizando ADRs.

Decisões arquiteturais nas quais se entende haver necessidade de deliberação podem ser registradas com o status de RFC, estabelecendo, também, um deadline.

RFCs podem ser mantidas em Issues no Github, por exemplo.

Finalmente, é importante que se busquem, sempre, meios apropriados para comunicar decisões arquiteturais. Mandar um e-mail não basta!

O sensível equilíbrio entre risco e custo

Há duas variáveis extremamente importantes na avaliação do contexto para as práticas arquiteturais: sensibilidade ao custo e sensibilidade ao risco. Geralmente, quanto maior a sensibilidade ao risco, menor deve ser a sensibilidade ao custo.
0
Considerações?x

A tolerância ou a necessidade de assumir riscos implica naturalmente nas práticas e processos de arquitetura. Muitas vezes, “exageros” processuais são necessários para mitigar riscos. Outra abordagem é acentuar a senioridade. Ambas linhas de atuação são ofensivas ao custo.

Cada projeto enfrenta diferentes riscos, logo, não há não há uma única forma certa de conduzir os processos arquiteturais. Quando o risco é extremamente baixo, as decisões arquiteturais são mais simples.

Reduzir custos só pode ser foco quando a incerteza, logo o risco, é mínimo.

O problema da “arquitetura limpa”

De tempos em tempos surgem “receitas de bolo” para a elaboração de arquiteturas. Elas emergem a despeito de seus proponentes e se estabelecem como o “jeito certo” de organizar componentes, distribuir responsabilidades e estabelecer relações. Já foi assim com a “arquitetura hexagonal”, também foi assim com “microsserviços” e, recentemente, está sendo assim com a “mania” da arquitetura limpa – uma forma de organizar sistemas em camadas propostas por Robert Martin.

Implementando Clean Architecture no ReactJS | by João Guilherme Berti Sczip | Medium

Na prática, a “arquitetura limpa” proposta pelo “Uncle Bob” é uma releitura opinativa do estilo em camadas. Ela é útil para, provavelmente para a grande maioria dos cenários de desenvolvimento, em times pequenos ou médios, para soluções menores e bem isoladas. É um “jeito certo” para fazer software, mas está longe de ser o “único jeito certo”. Aliás, é, sem dúvidas, o “jeito errado” para cenários complexos, com times grandes, que demandam, por exemplo, microsserviços.
0
Considerações?x

Principais desafios para a assertividade

Predileção por modismos

O favoritismo por estilos arquiteturais muda de tempos em tempos. Eventualmente, os “pontos de dor” dos estilos arquiteturais vigentes são mitigados em novas propostas. É o caso, por exemplo, do “desacoplamento extremo” dos microsserviços confrontado com camadas. A tendência ao reuso do passado foi sendo substituída pelo desejo de criar componentes com baixo acoplamento. Tudo é transitório.

Tecnologias que mudam

As verdades de ontem sequer são consideradas hoje. Há relativamente pouco tempo, sequer existiam ferramentas como Kubernetes ou Docker, embora contêineres fossem tecnicamente possível há décadas. Em alguns anos, Docker e Kubernetes também serão tecnologias ultrapassadas.

… rápido

Nos anos recentes, aliás, não só a mudança é uma certeza, mas também está cada vez mais acelerada. O sentimento de “melhor ferramenta/tecnologia/paradigma de todos os tempos da última semana” com frequência causa desgaste sem compensações razoáveis para o negócio.

Escopos (de domínio) cada vez mais complexos

Cada vez mais, se espera software mais onipresente, inteligente e integrado. Aliás, software melhor tem autorizado práticas mais complexas no domínio, que por sua vez tem demandado software ainda melhor, em um ciclo as vezes virtuoso, outras vezes vicioso.

De fato, as expectativas em torno do software crescem em ritmo acelerado exigindo a adoção de níveis de abstração cada vez mais altos no desenvolvimento de sistemas. Não raro, projetar software parece “montar lego” pela predominância de componentes prontos, principalmente na utilização da nuvem.
0
Considerações?x

Ambientes (potencialmente) hostis

Em contextos controlados, mudanças nas regulações implicam em desafios para cumprimento de prazos que, frequentemente, ignoram as dificuldades na atualização dos sistemas.

Sistemas dependentes em demasia de componentes externos podem ser fortemente impactos com ajustes de políticas comerciais ou com custos de licenciamento.

Estruturas organizacionais doentes ou inadequadas podem impossibilitar a utilização de estilos arquiteturais como desdobramento da lei de Conway.

Identificando e adotando “abordagens certas”

Arquitetos, como “trabalhadores do conhecimento”, trabalham para “resolver problemas”. Todo conjunto de demandas que justifica sistemas pode ser descrito como um conjunto de problemas que esperam soluções.

Padrões e estilos arquiteturais são abstrações de soluções recorrentes para problemas comuns. Entretanto, para serem efetivos, devem ser escolhidos a luz de suas forças e fraquezas relacionadas, sobretudo, ao contexto.
0
Concorda?x

Saber reconhecer a “natureza” de um problema ajuda a definir a estratégia mais efetiva para o resolver, maximizando o desempenho/resultado e minimizando o esforço/trabalho. Os cinco domínios do framework Cynefin – um framework desenvolvido por David Snowden na IBM – ajudam na classificação de problemas, direcionando abordagem para solução.

A proposta central do framework Cynefin é classificar problemas em cinco domínios diferentes.

O primeiro domínio, “Óbvio” ou “Simples”, é aquele ao qual pertencem os problemas que tem clara relação entre causa e efeito. Sabe-se, com relativa precisão, qual ação precisa ser realizada para atingir um determinado resultadoProblemas desse domínio podem ser corrigidos, evitados ou mitigados através da aplicação de melhores práticas. Além disso, quem os tratará precisa apenas de treinamento e capacidade analítica para detectar, categorizar e aplicar soluções. Raramente será o caso na arquitetura de software. Eventualmente, no desenvolvimento de ferramentas utilitárias.

O segundo domínio, “Complicado”, é aquele ao qual pertencem os problemas que também tem relação clara entre causa e efeito, porém, geralmente, onde diferentes ações podem atingir um mesmo resultado. Problemas desse domínio são, geralmente, melhor resolvidos por pessoas com experiência, que conseguem julgar os prós e contras de diversas alternativas e escolher o que é mais adequado ao contexto. Problemas complicados são comuns no design não arquitetural.

O terceiro domínio, “Complexo”, é aquele onde também é possível estabelecer relação de causa e efeito. Entretanto, apenas depois de aplicada uma ação. Esses são aqueles problemas que precisam de experimentação para serem resolvidos. Afinal, o número de variáveis é tão grande que impossibilita previsão 100% segura. Nesse domínio encontra-se, por exemplo, o desenvolvimento de negócios e a maioria dos desafios arquiteturais. 

O quarto domínio, “Caótico”, é aquele onde não é possível determinar, com clareza, relações de causa e efeito, nem antes, nem depois de adotada uma ação. São problemas onde o número de variáveis é muito grande e é impossível de determinar causalidades. Problemas desse domínio costumam ocorrer em situações atípicas, geralmente associadas a circunstâncias críticas. Sistemas distribuídos elaborados de maneira descuidada tendem ao caos. Sistemas caóticos podem ser “influenciados”, mas nunca “determinados”.

Categorias diferentes de problemas exigem abordagens diferentes para determinar uma solução.

Abordagens complicadas não suportam soluções complexas

A “mentalidade binária” empregada para resolver problemas “óbvios” geralmente conduz a paralisia por análise em cenários complexos. Afinal, cenários “óbvios” são resolvidos com conhecimento e “força bruta”, enquanto cenários “complexos” só podem ser resolvidos com “tentativa-aprendizado-e-erro”.

A urgência de práticas ágeis

É a natureza complexa do negócio que é a responsável por não ser possível que metodologias “cascata” funcionem para o desenvolvimento de software. Metodologias ágeis são uma tentativa de facilitar experimentação durante o desenvolvimento de software, sem comprometer eficiência.

Principais aspectos influenciadores

Na prática, as dificuldades das decisões arquiteturais são mitigadas pela redução da quantidade de variáveis (dimensionalidade) que podem influenciar na tomada de decisões arquiteturais. Quanto menos “aspectos discutíveis”, mais delimitadas são as alternativas que precisam ser consideradas e mais assertivas são as decisões.

Sabendo-se, por exemplo, que o objetivo não é “escalar times”, descarta-se a utilização de microsserviços. Quando times não podem ser “tecnicamente” apartados, descarta-se a adoção de modelos simples de camadas. Logo, estrutura organizacional, considerando tamanho e forma de organizar os times são dois aspectos influenciadores fundamentais.

A forma como os dados estão sendo gerenciados na organização também é impactante. Domínios que demandam “dados quentes” para organização tática e estratégica são menos tolerantes para sistemas distribuídos e também tendem a não suportar bem a escala. Dados centralizados se convertem em gargalo. Dados distribuídos oferecem desafios a consistência.

Restrições com fornecedores e regulação invariavelmente restringem opções arquiteturais relevantes. Se há restrições de utilização de nuvem, por exemplo, restringe-se consideravelmente a adoção de componentes prontos.

Finalmente, é importante observar o conhecimento dos times e a familiaridade com naturezas, tanto de problemas, como de designs propostos. Por exemplo, se uma organização não tem maturidade na adoção de práticas ágeis, estilos arquiteturais que dependem dessas práticas irão ter dificuldades de realização.

Isomorfismo entre domínio e arquitetura

Alguns domínios de problema parecem ter match perfeito com alguns estilos arquiteturais. Pipes and Filters, por exemplo, encaixam perfeitamente com domínios organizados em torno de sequências de atividades bem determinadas. Microkernel, outro estilo arquiteturalé perfeito para cenários que demandam customização.

Por outro lado, há domínios de problema que conflitam evidentemente com alguns estilos arquiteturais. Domínios que demandam alto nível de “acoplamento semântico” sofrem em estilos extremamente desacoplados ou distribuídos.

Sobre a necessidade de assumir dívidas técnicas

Dívidas técnicas surgem quando desenvolvedores de software, de forma deliberada ou não, abrem mão de boas práticas de desenvolvimento para ganhar algum tempo. Entretanto, acabam sofrendo, mais tarde, com os custos e tempos de manutenção mais altos. Sob a perspectiva de arquitetura de software, elas acontecem quando decisões de design não ótimas realizadas.

Os “juros” resultantes das dívidas técnicas, para programadores, costumam ficar evidentes em maior dificuldade para ler e entender o código, fragilidade decorrente de acoplamento (mexer em uma parte do sistema, estraga outra), dificuldade para adicionar features sem quebrar testes, etc. Para a arquitetura, os “juros” ficam evidentes pela incapacidade de atingir os objetivos do negócio, respeitar restrições ou atender atributos de qualidade.

É sempre importante ressaltar que, se não há “juro” percebido, provavelmente não há dívida. Ou seja, se nenhum prejuízo é sentido pelo time técnico, ou pelo negócio, por causa de uma decisão técnica que aparentava não ser boa, então, talvez não haja nada de errado com ela!

Não é incomum encontrar técnicos  implementando soluções mais “sofisticadas” justificando-as por pretensas boas práticas, mas que, na verdade, adicionam pouco ou nenhum valor ao negócio. Aliás, com frequência adicionam apenas complexidade e, consequentemente, custo.

Se um desenvolvedor ou arquiteto adota uma “boa prática” sem saber justificar a razão para estar fazendo isso, então, há chances grandes do efeito ser exatamente o oposto do que planeja. Microsserviços implementados para viabilizar escalabilidade, mas que não escalam. Repositórios isolando acesso a dados para permitir uma hipotética “troca do banco”, que nunca ocorre.

Quando todo embasamento que um desenvolvedor ou arquiteto tem para adotar uma prática é a palavra de alguém, então, não tem embasamento algum.
0
Concorda?x

As “sementes” das dívidas técnicas arquiteturais

Dívidas técnicas arquiteturais nascem, frequentemente, da necessidade de atender alguma especificidade do negócio. Geralmente, sob uma das seguintes categorias:

  1. custo;
  2. time-to-market;
  3. satisfação dos usuários;
  4. posicionamento estratégico.

// TODO

Antes de avançar, convido-o as seguintes reflexões:

  1. As soluções arquiteturais que seu time estão adotando são as melhores, sob o ponto de vista de custo e risco?
  2. Quais são os principais desafios que tens enfrentado para a assertividade nas decisões arquiteturais?
  3. Conforme o Cynefin, qual é a categoria dos problemas que tens enfrentado com mais frequência?
  4. Trabalhou em algum projeto com isomorfismo entre arquitetura e domínio?
  5. Quais são as principais dívidas técnicas que tens enfrentado em seu projeto recentemente? Elas são arquiteturais?

 

Referências bibliográficas

KURTZ, C. F.; SNOWDEN, D. J.. The new dynamics of strategy: sense-making in a complex and complicated world. Ibm Systems Journal. Cambridge, p. 462-483. abr. 2003. Disponível em: http://alumni.media.mit.edu/~brooks/storybiz/kurtz.pdf. Acesso em: 15 maio 2021.

MARTIN, Robert. The Churn. 2016. Disponível em: https://blog.cleancoder.com/uncle-bob/2016/07/27/TheChurn.html. Acesso em: 15 jul. 2021.

MARTIN, Robert. Clean Architecture: a craftsman’s guide to software structure and design. Boston, Ma: Pearson Education, 2018.

RICHARDS, Mark; FORD, Neal. Fundamentals of Software Architecture: an engineering approach. Sebastopol, Ca: O’Reilly Media, Inc, 2020.

Compartilhe este capítulo:

Compartilhe:

Comentários

Participe da construção deste capítulo deixando seu comentário:

Inscrever-se
Notify of
guest
0 Comentários
Feedbacks interativos
Ver todos os comentários

Fundador e CEO da EximiaCo, atua como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Mentorias

para arquitetos de software

Imersão, em grupo, supervisionada por Elemar Júnior, onde serão discutidos tópicos avançados de arquitetura de software, extraídos de cenários reais.

Consultoria e Assessoria em

Arquitetura de Software

EximiaCo oferece a alocação de um Arquiteto de Software em sua empresa para orientar seu time no uso das melhores práticas de arquitetura para projetar a evolução consistente de suas aplicações.

ElemarJúnior

Fundador e CEO da EximiaCo, atua como tech trusted advisor ajudando diversas empresas a gerar mais resultados através da tecnologia.

Podcast

Arquitetura de Software Online

55 51 9 9942 0609  |  me@elemarjr.com

+55 51 99942-0609 |  contato@eximia.co

+55 51 99942-0609  contato@eximia.co

0
Quero saber a sua opinião, deixe seu comentáriox
()
x